Créditos de Carbono são “certificados” que empresas, pessoas ou países compram para emitirem Gases Efeito Estufa. 01 Crédito de Carbono corresponde a uma tonelada de carbono.

Toneladas de carbono é a medida utilizada para contabilizar, as emissões de GEE (gases efeito estufa). Quando as toneladas de carbono são certificadas (passam por auditoria e são registradas em algum registro de projetos de carbono) passam a se chamar crédito de carbono.

1 ton de CO2 = 1 crédito de carbono

Como já falado créditos de carbono podem ser utilizados para compensar emissões de instituições, empresas e pessoas.

 

Como Funcionam os Créditos de Carbono

 

Os gases de efeito estufa (GEE) são convertidos em unidade de dióxido de carbono equivalente (CO2e) que pode ser reduzida, evitada, ou sequestrada para compensar as emissões que ocorrem em outros  lugares/atividades.

Uma tonelada de CO2e (carbono equivalente) corresponde a 1 crédito de carbono. O CO2e é o resultado do potencial de aquecimento que os GEE possuem. O CO2 tem potencial de aquecimento igual a 1.

O Metano, por exemplo, possui potencial de aquecimento de 21, ou seja, é 21 vezes mais danoso que o Dióxido de Carbono. Para compensar o potencial de aquecimento do metano são necessárias a compra 21 créditos de CO2 (por tonelada).

 

Conheça o potencial de aquecimento dos GEE:

 

  • CO2 – Dióxido de Carbono = 1
  • CH4 – Metano = 21
  • N2O – Óxido nitroso = 310
  • HFCs – Hidrofluorcarbonetos = 140 ~ 11700
  • PFCs – Perfluorcarbonetos = 6500 ~ 9200
  • SF6 – Hexafluoreto de enxofre = 23900

 

Os créditos de compensação, medidos em toneladas, podem ser gerados através da redução de emissões de gases GEE de um país (cap-and-trade) e de projetos de MDL (Mecanismos de Desenvolvimento Limpo).

MDL: Mecanismo criado no âmbito do Protocolo de Kyoto que permite aos países industrializados (que têm compromisso de reduzir suas emissões de gases geradores do efeito estufa) financiarem projetos de redução ou “comprarem” os volumes de redução das emissões resultantes de projetos em países em desenvolvimento.

Cap-and-trade: Sistema que define o limite de gases poluentes que podem ser emitidos, em um ano, por uma organização.

Em alguns sistemas, instalações regulamentadas podem comprar créditos de compensação de projetos localizados em setores ou países não legalmente obrigados a reduzir suas emissões.

O custo de satisfazer as metas de redução de GEE de um programa de cap-and-trade pode ser reduzido através da compra de compensações nos casos em que a redução das emissões de GEE em instalações não niveladas ou sectores é menos dispendiosa do que fontes no tampadas.

Muitas empresas e organizações atualmente compram créditos de GEE para ajudar a cumprir os compromissos voluntários para reduzir as suas emissões de GEE. Países, organizações ou empresas, que não mantém compromissos de redução de emissões, podem participar dos mercados voluntários e comercializar suas reduções.

Mercados voluntários não valem como redução de metas para os países que assinaram o protocolo de Kyoto. Como os mercados voluntários não são regulamentados, é importante tomar cuidado ao comprar créditos dos mesmos.

  • Verificar se os créditos de carbono foram certificados por uma norma reconhecida (Gold Standard, CDM, VCS, Climate Action Reserve, Green-e Clima Protocolo para Energia Renovável, etc.) garantindo a qualidade dos créditos;
  • Quais tipos de projetos estão gerando os créditos comercializados? (substituição de combustível fóssil por combustível renovável, projetos de reflorestamento e proteção de áreas em risco de desmatamento, melhoras de processos de consumo de energia, co-geração de energia com biomassa, aterros sanitários com queima de gás metano);
  • Como você garante que os créditos gerados foram quantificados precisamente?

 

As mudanças climáticas afetarão à todos.  Num cenário onde os recursos naturais podem se esgotar , devido aumento da temperatura, agir rápido é necessário.

Parafraseando o presidente  Barack Obama, talvez sejamos a última geração a poder fazer algo pelo planeta.

A COP 21  em Paris revelou o consenso de que é necessário uma mobilização mundial para atacar este problema. Países se comprometeram a  colocar em prática medidas para diminuir as emissões de GEE e as pessoas já entendem que precisam fazer sua parte.

Toda atividade humana acaba gerando emissões de GEE. Diminuir e compensar  emissões de GEE é essencial para frearmos o aquecimento global  e suas consequências. O que você pensa sobre isto? Deixe seus comentários!

Caso queira saber mais sobre o assunto, baixe nosso ebook:

e-book- Desmistificando os Créditos de Carbono

 

 

Written by Denis Trindade