Há uma certa controvérsia envolvendo o uso da palavra “Cerrado”. Na maioria das vezes, nos referimos ao cerrado como sendo um bioma. No entanto, tecnicamente, um bioma é um conjunto de ecossistemas constituídos por fauna e flora semelhantes.

 

Observando a região enorme que chamamos de “cerrado” observamos três grupos diferentes de formações vegetais, todas bastante diferentes uma da outra.

Levando a definição de bioma à risca temos que passar a ver o Cerrado como um mosaico de diversos biomas. A definição incorreta já está tão enraizada no idioma que tratamos o Cerrado como se fosse um único bioma, o que ele de fato não é.  Os três biomas que compõe a nossa região “cerrado” são: o campo tropical, a savana e a floresta estacional.

 

Extensão geográfica do Cerrado

 

A extensão geográfica do cerrado abrange aprox. 2.000.000 km2, incidindo sobre 15 estados brasileiros. São eles: Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal Amapá, Roraima e Amazonas. Sendo que nos três últimos encontram-se encraves de cerrado e não áreas contínuas como nos outros.

Neste espaço territorial encontram-se as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Amazônica, São Francisco e Prata), o que resulta em um elevado potencial aquífero e favorece a sua biodiversidade. O cerrado faz divisas com a maioria dos outros “biomas” brasileiros, entre eles a Floresta Amazônica, a Floresta Atlântica, o Pantanal e a Caatinga.

Cerradobrasileiro

 

Que tipos de plantas e animais habitam o Cerrado?

 

 O Cerrado possui três tipos bastante diversos de formações vegetais:

Formações florestais – encontramos aqui diversas de árvores, que tem uma copa que fecha o chão abaixo dela.

Formações savânicas – também aqui há vários tipos de formação. Todas elas têm em comum o fato de consistirem de árvores e arbustos espalhados sobre um estrato de gramíneas. As copas não fecham o chão abaixo delas. As savanas são, então caraterizadas por terem pastos cobrindo grande parte do chão.

Formações campestres –Todos os tipos se caracterizam por predomínio de espécies de capins e alguns arbustos, que podem ou não apresentar árvores e arbustos maiores de maneira esparsa.

Uma grande variedade de plantas do Cerrado são tradicionalmente usadas pela população. Mais de 220 espécies têm uso medicinal e mais 416 podem ser usadas na recuperação de solos degradados, como barreiras contra o vento, proteção contra a erosão, ou para criar habitat de predadores naturais de pragas.

Mais de 10 tipos de frutos comestíveis são regularmente consumidos pela população local e vendidos nos centros urbanos, exemplos são os frutos do Pequizeiro (Caryocar brasiliensis), Buriti (Mauritia flexuosa) e Mangabeira (Hancornia speciosa) e as sementes do Barú (Dypteryx alata).

Muitas delas servem como base para a alimentação humana, entre elas, o pequi, o baru, a cagaita, o jatobá e tantas outras, e medicamentos, como o velame, a lobeira, a calunga, o barbatimão e uma infinidade de plantas usadas ancestralmente pelas populações da região do cerrado.

Todas as formas vegetais do cerrado têm em comum uma capacidade de sobrevivência de períodos longos de estiagem, já que por toda a região do cerrado há um período acentuado de seca que se estende de maio até aproximadamente outubro. Durante esse período é possível que não chova uma única vez.

A fauna do cerrado é muito diversa também. Porém, grande parte dela ainda não foi inventariada. Catalogar as espécies do cerrado é uma atividade difícil e vem piorando pelo avanço da fronteira agrícola, pela caça de subsistência e também a caça predatória. O aumento da população nas áreas de cerrado também não tem contribuído para uma melhora na situação dessas espécies.

A Embrapa estima que existam no cerrado aproximadamente 90.000 espécies de insetos e cerca de 2.000 espécies de vertebrados.

 

Introdução à importância do Cerrado

 

O cerrado é considerado um dos “hotspots” de biodiversidade no mundo[3]. No cerrado existem aproximadamente 10.000 espécies de plantas, sendo que 4.400 delas são endêmicas (isto é, ocorrem apenas no cerrado). Isso representa um total de 1,5% das plantas existentes no mundo. No caso da fauna, vivem nos biomas do cerrado 1.268 espécies, sendo que 117 são endêmicas.

 

Porque plantar árvores no cerrado?

 

A região cerrado tem atraído ao longo das últimas décadas muitos investimentos na área da produção agrícola. O desmatamento dessas áreas foi bastante acentuado durante esses anos. Como o agronegócio vem sendo o setor da economia que apresenta números positivos na balança comercial do Brasil essa pressão de desmatamento e também de intensificação da atividade agropecuária continua sendo forte.

Além disso no Brasil a região do cerrado é a que está menos protegido de maneira formal, apenas aprox. 4,5% da área do cerrado se encontra protegida em unidades de conservação, se levarmos em consideração que na região do cerrado se encontra cerca de um terço da biodiversidade do Brasil  a área protegida é muito pequena.

Esse quadro eleva o cerrado à posição de segunda região mais ameaçada do Brasil. Todos esses fatos levaram a Curupira a se tornar ativa na região, que se encontra tão no foco do desenvolvimento agropecuário e ao mesmo tempo pouco protegido por unidades de conservação legais. Ajude você também a preservar esse patrimônio de nosso país.

Fontes: [3] MYERS, N., MITTERMEIER, R.A., MITTERMEIER, C.G., FONSECA, G.A.B. & KENT, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403(6772):853-858.

 

 Conheça mais sobre o  projeto ambiental
Written by Florian Diez