Segundo pesquisa do instituto Akatu jovens admitem a sustentabilidade como um valor agregado, no entanto, não reconhecem os impactos individuais relacionados aos próprios padrões de consumo.

 

Jovens e o consumo sustentável

 

Eles cresceram diante de inúmeros estímulos para o consumo e hoje ditam as regras e tendências do mercado. Quem são os jovens brasileiros e que padrões de consumo estão sendo adotados por essa geração?

Fazer um diagnóstico acerca do público jovem é o objetivo de inúmeras empresas que buscam criar estratégias antes de focar suas ações de mercado. Dentro desse cenário como é possível inserir o paradigma da sustentabilidade?

O Instituto Akatu e a Indicator Opinião Pública realizaram a pesquisa “Os jovens e o consumo sustentável – construindo o próprio futuro?” com o objetivo de dar conhecimento às necessidades e opiniões dessa geração e, consequentemente, oferecer dados para que empresas e Poder Público criassem seus planos de atuação, visando o exercício de formas de consumo mais sustentáveis nos próximos anos.

 

Uma geração global de consumidores

 

Segundo a pesquisa, os jovens brasileiros possuem estilos de vida e formas de consumo bastante semelhantes aos jovens de outros países. Aparentemente uma classe de consumidores globais está surgindo, compartilhando do mesmo padrão de consumo e também dos mesmos ideais.

Os jovens de hoje possuem consciência de que mudanças são necessárias e que é preciso imprimir esforços para reduzir as desigualdades e permitir que essas transformações resultem na preservação ambiental. No entanto, a maioria não tem consciência acerca dos impactos causados por suas ações individuais.

Em um mundo altamente competitivo, boa parte dos jovens se preocupa com o futuro profissional e reconhece mais a necessidade de um diploma do que o conhecimento cultural. As organizações sociais e políticas não são relevantes para a maioria deles e a saída dos problemas costuma ser individual, baseado em pequenas ações capazes de transformar suas vidas e sem pretensão de que elas impactem necessariamente a coletividade.

No que se refere ao tema da sustentabilidade, boa parte dos jovens não identifica que suas ações geram impactos dentro de uma cadeia de consumo. Para muitos deles, a forma como viajam, compram, utilizam os recursos naturais e trabalham influem pouco na dinâmica do meio ambiente e da sustentabilidade. Com exceção do descarte de resíduos, eles não vislumbram de que maneira suas ações individuais produzem efeitos negativos dentro de uma cadeia de consumo tornando-a menos sustentável.

 

Jovens com hábitos globalizados.

Apesar de não reconhecer os impactos individuais de suas ações, os jovens consideram a preocupação com o meio ambiente um valor e ponderam isso como fator de decisão na compra. Cerca de 50% dos jovens reconhece que consumo consciente deve ser valorizado no ato da compra, porém poucos refletem acerca do processo de produção dos bens que consomem.

 

Criando soluções sustentáveis

 

Os dados disponibilizados pelo Instituto Akatu demonstram que há muito para ser feito para que o consumo sustentável seja uma prática de fato internalizada pelos jovens de modo que eles reconheçam a responsabilidade de suas ações dentro de uma cadeia de consumo.

No entanto, o público jovem vem se mostrando bastante receptivo ao avaliar a sustentabilidade como um valor agregado ao produto final, valorizando assim o consumo consciente.

Para empresas que buscam criar ações de sustentabilidade voltadas ao público jovem o desafio consiste em engajar as ações individuais deste público aos seus padrões de consumo. Ou seja, é necessário conscientizar de que o jovem é um agente ativo dentro de uma cadeia de consumo e para que ela seja sustentável, suas ações devem levar em consideração o impacto que geram.

De toda forma, a pesquisa aponta um dado otimista que comprova que os jovens ainda se sentem dispostos a batalhar e a investir em um mundo mais sustentável e saudável e que as empresas devem investir em sustentabilidade uma vez que esse fator é considerado um valor agregado aos produtos disponibilizados no mercado.

Written by Denis Trindade