maio 19, 2016 Blog Nenhum Comentário

Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente
e Desenvolvimento da Organização das
Nações Unidas:

 

Grupo criado em 1983 pela Organização das Nações Unidas
(ONU), com o objetivo de examinar as questões críticas e
reformular propostas relativas ao meio ambiente, propor
novas formas de cooperação internacional de modo a
orientar as políticas e dar aos indivíduos, organizações
voluntárias, empresas, institutos e governos uma maior
compreensão dos problemas existentes, auxiliando-os e
incentivando-os a uma atuação firme.

 

Desenvolvimento Sustentável:

 

Conceito usado pela primeira vez em 1987, no Relatório
Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial sobre
Meio Ambiente e Desenvolvimento. Significa obter
crescimento econômico, garantindo a preservação do meio
ambiente e o desenvolvimento social para gerações futuras.
Desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da
geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as
necessidades das futuras gerações.

 

Efeito Estufa:

 

Processo natural que ajuda a manter o planeta aquecido. É essencial
para conservar a temperatura do planeta em condições ideais para a sobrevivência. Estudos indicam que a ação do homem sobre a natureza está acentuando este fenômeno natural e deixando o planeta cada vez mais quente.

 

Ecoeficiência:

 

União entre economia e eficiência no uso de recursos naturais.
Tem como objetivo produzir mais e melhor, utilizando menos
recursos naturais e com menor impacto ambiental, mantendo
a qualidade dos produtos e serviços.

 

Externalidades:

 

Efeitos de uma decisão sobre aqueles que não participaram
dela. Geralmente referem-se à produção ou consumo
de bens ou serviços sobre terceiros, que não estejam envolvidos
com a atividade. Pode ser de duas formas – negativa
ou positiva. Negativa quando gera custos para os demais
agentes (poluição atmosférica, escassez de recursos
hídricos, desemprego em massa etc). Positiva quando os
demais se beneficiam (investimentos governamentais ou setores privados)

 

Gases de efeito estufa:

 

São gases que absorvem parte da radiação infravermelha que
reflete da Terra. Dessa forma, não há perda de calor para o
espaço e o planeta mantém-se aquecido. Os principais gases
são: Dióxido de carbono (CO2), Metano (CH4), Óxido nitroso
(N2O), Clorofluorcarbonetos (CFCs), Hidrofluorcarbonetos
(HFCs), e Hexafluoreto de enxofre (SF6).

 

Global Reporting Initiative (GRI):

 

Organização holandesa sem fins lucrativos que tem como objetivo
o desenvolvimento e difusão de diretrizes e indicadores para a elaboração de relatórios de sustentabilidade. Os critérios
são usados globalmente e o modelo é bastante adotado também
no Brasil.

 

Greenwashing (Lavagem Verde):

 

Expressão inglesa que a partir das palavras green (verde), que
simboliza o movimento ambientalista, e washing (lavagem)
refere-se a técnicas de marketing para criar uma imagem positiva
diante da opinião pública em relação a práticas ambientalmente
adequadas de uma empresa, organização ou pessoas, de
forma descomprometida com a realidade. A expressão criada
nos anos 90 inspira-se em outra prática, a de whitewash, tinta
branca de má qualidade usada para pintar casas como único
objetivo de disfarçar a sujeira.

 

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE):

 

É um índice que mede o retorno médio de uma carteira teórica
de ações de empresas de capital aberto e listadas na BM&FBOVESPA com as melhores práticas em sustentabilidade. Pioneiro na América Latina,  o indicador cria um ambiente de investimento compatível com as demandas de desenvolvimento sustentável da sociedade e estimula a responsabilidade ética das
corporações por meio de boas práticas empresariais.

 

Impacto Ambiental:

 

Alterações provocadas no meio ambiente pelas atividades
humanas.

 

Licença social:

 

É a concessão que vem da própria da sociedade, e não somente
dos órgãos oficiais, para instalação e funcionamento
de um determinado projeto. Adquirida por meio de diálogo
constante, é etapa fundamental de qualquer gestão empresarial,
uma forma de a companhia de apresentar, de modo
transparente, o que faz, o resultado e qual o benefício aos cidadãos.
Confiança e legitimidade são os principais ganhos
da companhia junto a seus stakeholders.

 

Marketing verde:

 

Comunicação com foco nas características ambientais de
produtos, desde sua produção, diferenças técnicas e contribuição
ao desenvolvimento local até o posicionamento institucional de organizações.

 

Materialidade:

 

Termo com origem na característica do que é material ou
substancial. Refere-se aos assuntos e indicadores que devem
ser divulgados nos Relatórios de Sustentabilidade, por
serem de maior relevância para os stakeholders da companhia
em questão.

 

Pegada de carbono:

 

Pegada de carbono é a medida do impacto das atividades
humanas sobre as emissões de gases do efeito estufa, ou seja,
condiz com a quantidade de dióxido de carbono equivalente
liberada na realização de cada atividade.

 

Relatório de Sustentabilidade:

 

Ferramenta de gestão e de comunicação do desempenho econômico, social e ambiental da companhia. Indica a transparência diante dos públicos de relacionamentos. O documento pode ser produzido de acordo com os padrões do modelo Global Reporting Initiative (GRI)apresentando as iniciativas anuais em três âmbitos: social,
ambiental e econômico.

 

Seis Dimensões da Sustentabilidade:

 

Também chamado Modelo Nórdico, refere-se ao entendimento
da sustentabilidade em seis esferas: econômica, ambiental
social, cultural, política e espiritualidade. Nasceu com o
nome “Paradigma do Equilíbrio Civilizatório” e destaca na
esfera espiritualidade, antes chamada “interacional”, o aspecto
individual nas tomadas de decisão que impactam o todo.

 

Sistemas de Gestão:

 

Estrutura para gerenciar e continuamente melhorar as
políticas, procedimentos e processos da organização. Integra
qualidade, meio ambiente, segurança, saúde ocupacional e
responsabilidade social conforme características, atividades
e necessidades de cada companhia.

 

Stakeholders:

 

Termo em inglês formado pelas palavras stake (interesse, participação) e holder (portador). Refere-se às partes que influenciam ou são influenciadas pela operação e resultados de uma
organização. São os públicos de relacionamento, como acionistas,
colaboradores, cliente, lideranças sociais, instituições governamentais, etc.

 

Sustainability Index da Dow Jones:

 

Índice de avaliação de performance sustentável reconhecido
globalmente. As companhias que constam nesse índice,
indexado à bolsa de valores de Nova Iorque, são classificadas
como as mais capazes de criar valor para os acionistas, ao
logo prazo, por meio de uma gestão de riscos associados
tanto aos fatores econômicos, como ambientais e sociais.

 

Tecnologia Limpa:

 

Conjunto de soluções que possibilitam e ajudam a promover o
uso sustentável dos recursos naturais, com o objetivo de reduzir
impacto, diminuindo o desperdício. Um dos principais conceitos
da tecnologia limpa é a rede inteligente (smartgrid), que
prevê o uso da infraestrutura e da tecnologia da informação na
criação de sistemas que promovam a eficiência na geração, distribuição e consumo dos recursos naturais.

 

Tecido Social:

 

Conceito que expressa as relações entre os diferentes atores
de uma cidade, empresas, órgão públicos, entidades setoriais,
ONGs e as pessoas, implicando indivíduos, coletividade
e poder. Também chamado de malha social, integra os
indivíduos em uma espécie de teia em contínua mudança e
reorganização. O conceito evidencia a integração também
de papéis: um cidadão é um empregado e um consumidor
em potencial.

 

Triple Bottom Line ou People, Profit and Planet:

 

Refere-se ao entendimento da sustentabilidade no modelo
de tripé formado por três pilares – econômico, ambiental e
social, em que todos devem ser considerados com o mesmo
nível de importância.

 

Fonte: CEBDS.

Written by Denis Trindade