O que são créditos REDD+

*Reducing CO2e Emissions from Deforestation and Forest Degradation.

 

redd

 

 REDD+ é um mecanismo para incentivar os países em desenvolvimento a proteger, gerenciar e utilizar melhor os recursos florestais contribuindo na luta global contra as alterações climáticas.

Através de estratégias de REDD, entende-se que as florestas são mais valiosas em pé, gerando créditos de carbono, do que por exemplo, sendo usadas para cultivo ou pecuária.

Além disso combate-se a emissão de GEE destas fontes visto que as queimadas e a pecuária são responsáveis por 20% das emissões globais.

Uma vez medida, e quantificada, o potencial de neutralização das emissões de GEE, é possível colocar estes créditos no mercado e assim dar continuidade ao projeto, tonando-se economicamente interessante.

Comumente países desenvolvidos compram estes créditos dos países em desenvolvimento, para que mantenham suas florestas de pé.

 

Diferenciais dos créditos REDD +

 

  • Mitigam as mudanças climáticas;
  • Promovem o desenvolvimento sustentável;
  • Protegem a biodiversidade;
  • Reduzem as emissões de gases de efeito estufa;
  • Realizam a gestão sustentável da floresta;

 

Janaina Dallan, especialista em projetos de neutralização do Curupira, vem atuando desde 2002 em projetos MDL.  No case à seguir, ela mostra, resumidamente, como funciona um projeto de gerador de créditos de carbono REDD+.

O Curupira trabalha somente com estes tipos de crédito, visto sua importância, não somente na neutralização de GEE, mas seu impacto na sociedade como um todo. Além disso vai ao encontro de nossa missão: promover modelo econômicos que preservem e recuperam a biodiversidade.

Entendo na prática um projeto de REDD

 

Cenário:

O desmatamento no município de Colniza (MS) aumentou 328% de 2000 a 2007. De 77.000 hec. Pulou para 330.000 hec desmatados no período, caracterizando uma área altamente comprometida principalmente pela criação de gado.

Além disso, a exploração de madeireiras ilegais, grilagem de terra e a dificuldade do governo para controlar terras públicas e privadas tornam o problema do desmatamento ainda mais grave.

O Projeto Fazenda Floresta é destinado à exploração florestal por meio de práticas de gestão sustentável de baixo impacto. O objetivo do projeto é inserir atividades agrícolas para serem prospectados pelos mercados voluntários de carbono.

 

creditos.de.carbono.redd

Foto de satélite da área em 2002. As manchas vermelhas indicam o avanço do desmatamento.

 

creditos.de.carbono.redd

Nesta foto de 2008 o desmatamento avançou, caracterizando uma área passível de geração de créditos REDD. O contorno branco é o local onde está localizado o projeto Florestal Fazenda.

 

Estratégias do Projeto:

  • Realizar um Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) economicamente atraente contra o desmatamento da floresta;
  • Inverter a lógica de atividades que impulsionam o desmatamento;
  • Receber financiamento por serviços ambientais (PSA);
  • Compensação para a redução das emissões de GEE por desmatamento evitado.

 

Objetivos táticos do projeto:

  • Mudar o cenário atual na região;
  • Evitar o desmatamento de 34.602 hec de floresta tropical em 30 anos;
  • Manter 16.083.480 t de CO2-e na floresta;

 

Objetivos complementares:

  • Fazer a gestão de estoques de créditos
  • REDD+;
  • Conservar a floresta nativa;
  • Obter a certificação FSC;
  • Criar benefícios sociais a comunidade.

 

Baseline: Cenário que representa o desmatamento esperado, mantendo as condições de uso da terra com as mesmas práticas atuais. Para exemplificar as premissas, ou baseline, podemos tomar o histórico de desmatamento da Amazônia como exemplo.

Através de estudos sabe-se que o Amazonas (Estado) responde por cerca de 40% do desmatamento da Amazônia brasileira, emitindo 3,7 milhões de toneladas de CO2e. Com isso projetos de preservação acabam gerando créditos de carbono, freando as emissões do desmatamento.

A maior fonte brasileira de emissão de gases de efeito estufa é o desmatamento. Atualmente, o país contribui com cerca de 4% das emissões globais – 75% delas são originárias da mudança de uso do solo (ou seja, desmatamento) e 25% da queima de combustíveis fósseis.

 

Desempenho Projeto Fazenda Floresta

 

  • Evitou 20.782 hectares desmatados;
  • 659.889 toneladas de emissões de CO2e, do desmatamento, foram evitadas.
  • Manteve 100% de sua área intacta;
  • Desenvolveu e opera o maior Plano de Gestão Florestal Sustentável do estado.

 

Benefícios Sociais

  • Freou o desmatamento;
  • Incluiu as comunidades locais;
  • Formação técnica para a população local visando manter o plano de gestão sustentável;
  • A possibilidade de expandir para outras áreas circundantes, estabelecimento de corredores ecológicos, estudos de viabilidade para desenvolver pequenas indústrias para os produtos não madeireiros são os futuros benefícios do projeto.
Written by Denis Trindade